[ editar artigo]

Três lições de “Anne with an E”

Três lições de “Anne with an E”

O seriado “Anne with na E” baseia-se no livro Anne of Green Gables da escritora canadense Lucy Maud Montgomery, publicado inicialmente em 1908. A adaptação criada pelo Netflix chegou ao fim neste ano, após a terceira temporada. A serie acompanha Anne na chegada a sua nova família adotiva em Prince Edward Island, no Canada, mais precisamente na fazenda de Green Gables, em Avonlea.  

Desde a primeira temporada há muitas lições escondidas nessa ficção. Anne pode ser considerada uma pessoa positiva, olhando as situações do mundo de forma mais carinhosa.  A história se desenrola com essa chegada e sua adaptação em uma cidade tradicional. Apesar de todas as temporadas serem especiais a ponto de gerarem a maior lista de assinaturas em um abaixo-assinado `a Netflix para não cancelar a série, nos atentaremos a três lições que a terceira temporada apresenta para ajudar na nossa expansão pessoal.  

“Eu me liberto, tu te libertas...”   

Talvez não é a primeira vez que você escute essa ideia de liberdade pessoal como ferramenta para liberdade do próximo, mas com certeza será uma das formas mais leves. Anne é uma menina livre e apesar de suas fragilidades e inseguranças, mostra para todos ao seu redor como cada um pode ser especial. Ela já havia ajudado a tirar as amarras de seu amigo Cole na segunda temporada, e na terceira ela faz um ritual com suas amigas mostrando a importância da valorização da mulher como indivíduo.  

Ao ser uma mulher corajosa e livre, Anne estimula as amigas que elas também precisam se valorizar. Ela mesma cria um ritual em volta da fogueira em que elas dizem: 

“Nós, mulheres, poderosas e sagradas, declaramos nesta noite santificada que nossos corpos divinos pertencem somente a nós mesmas. Escolheremos a quem amar e em quem confiar. Caminharemos nesta Terra com graça e respeito. Sempre teremos orgulho do nosso grande intelecto. Honraremos nossas emoções para que nossos espíritos se elevem. E se algum homem nos desmerecer, mostraremos onde fica a porta. Nosso espirito é indestrutível. E livre é a nossa imaginação”  

Aceite o próximo como ele é  

A segunda lição poderia ser como uma continuação da primeira. Anne é atenta as injustiças e questiona as regras tradicionais. Já no início da temporada um grupo indígena da região julgados como selvagens, mas Anne não se aceita e faz amizade com a garota Ka’kwet, trocando conhecimento e experiencias. A amizade é até mal vista pela sua mãe adotiva, Marilla, mas Anne continua sua amizade independentemente.  

Eu poderia escrever muitos exemplos em como Anne aceita o próximo, como no caso do Cole, já citado acima, quando ele entende que não se enquadra dentro dos padrões de Avonlea, ela o estimula a ser quem ele realmente é. Há ainda uma lição extra no respeito ao sentimento do outro, quando Anne escreve um texto no jornal e acaba atingindo sem intenção sua amiga Josie, ela reconhece seu erro e ainda reconhece o direito de Josie em ficar chateada. Assim, reconhecer que o outro tem um sentimento que deve ser respeitado, ficara mais fácil em reconhecer os seus próprios.  

Uma rede de apoio faz toda a diferença  

Qualquer pessoa só precisa dela mesma para viver é realmente uma ideia fundamental. E isso Anne nos mostra em todos os episódios, mas seria injusto dizer que uma rede de apoio não é importante. Ela pode vir várias versões e, no caso de Anne não podemos negar que Matthew faz um papel fundamental em respeita-la e encoraja-la. Assim como a professora Stacy que como Anne também se sentiu como um peixe fora d’agua inicialmente, mas não deixou afetar o seu estilo de ser. Ela estimula a escrita da sonhadora Anne e a incentiva em cada passo acadêmico.  

A tia Josephine também tem papel importante como apoio para Anne, mostrando uma nova realidade, ouvindo suas aspirações e respeitando sua individualidade. Essa rede de apoio pode vir disfarçada em várias personalidades, mas a base essencial é respeitar o seu potencial e ajudar no seu desenvolvimento pessoal

Poderíamos continuar com lições e frases do seriado que só adicionariam a nossa evolução. Se você quiser adicionar mais alguma aqui nos comentários, podemos criar essa rede de expansão através de Anne :)

 

 

TAGS

seriados

Transformação Criativa
Bruna Cazzolato
Bruna Cazzolato Seguir

Uma jornalista que acredita que toda historia merece ser contada. Viajante, sonhadora e pronta para dividir comida boa qualquer hora do dia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você