[ editar artigo]

Sobre o poder da economia criativa: caminhos para o Brasil

Sobre o poder da economia criativa: caminhos para o Brasil


O Brasil é famoso por ser terreno fértil para expressões artísticas em todos os níveis, especialmente no nível popular. Artesanato, arte popular, manifestações culturais dos mais diversos tipos prosperaram nessa terra em que se formou um grande caldeirão de raças, culturas,  ideias e atitudes. Do Maracatu ao Samba, do Boi-Bumbá ao Carnaval, a sinergia e o sincretismo vai além da religião e toma conta de tudo, criando novos sons, comidas, cheiros, sabores. O povo Brasileiro é um dos povos mais expressivos e criativos do mundo. O artesanato e a arte vernacular brasileiros são uma lindeza que precisa ser conhecida.

Belos exemplos pipocam por todo lado, de norte a sul e de centro-oeste a sudeste, pasando, claro pelo nordeste. Grandes nomes da literatura, pintura, escultura, enfim, todas as artes e artesanatos. 

Sim, o brasileiro é muitíssimo criativo. Mas, infelizmente, em relação a inovação, ficamos muito atrás em todos os rankings. Inovação, nesse contexto, é a capacidade de lançar no mercado novos produtos, serviços, processos e modelos de negócios, gerando riqueza e transformando capital intelectual em capital financeiro. Afinal, a base do sistema capitalista é o dinheiro. E, infelizmente, temos uma grande dificuldade em transformar nossa criatividade natural em dinheiro, simples assim.

Nossas ideias não escalam, não ganham o porte que deveriam, morrem na praia. Vemos outros povos muito menos criativos construir coisas grandiosas com seu capital intelectual, e ter uma economia criativa muito mais forte. Porque isso acontece? Eu acredito que o que falta é método e conhecimento para poder fazer essa transformação de forma crescente e consistente. No Brasil a crença é de que a criatividade é um dom natural, uma dádiva da natureza, que não pode ser aprendida e nem pode ser sistematizada. E acabamos perdendo grandes oportunidades por conta disso.

 

O "jeitinho" não é exclusividade nossa...

O tal "jeitinho brasileiro" é ao mesmo tempo uma dádiva e uma maldição. Uma dádiva, pois permite que pessoas sem nenhum recurso material criem soluções absolutamente geniais para problemas do dia-a-dia, ou formas de expressão belíssimas com recursos mínimos, em um dos países mais desiguais do mundo. Uma maldição porque o brasileiro acaba achando que vai sempre dar um jeito, e não sistemática o que faz, não replica, não escala. E acaba ficando sempre na mesma.

E tem um agravante: O "jeitinho" não é exclusividade do brasileiro. Não é nenhuma diferença na nossa composição que valide a ideia de que seja só nosso. E basta ver qualquer população pobre na África, na Ásia, em qualquer lugar, que você vai ver outras ideias e soluções super criativas e expressivas, das tribos inuítes aos aborígenes, todos tem o seu jeitinho peculiar. 

 

A transformação é possível.

O que precisamos é de um sistema que leve em conta da mesma maneira criatividade e método, conhecimento e intuição, estrutura e liberdade, para equilibrar a equação e criar condições para o nosso potencial criativo se desenvolver plenamente, utilizando os talentos das pessoas nas diversas áreas do conhecimento, integrando o lado direito e o esquerdo do cérebro das pessoas e, coo consequência, gerando riqueza de verdade e elevando toda a sociedade. 

Na prática, precisamos sim de aulas de criatividade, de música, de dança, de expressão artística, de história da arte, ao mesmo tempo que precisamos de capacitação em empreendedorismo, gestão financeira, desenvolvimento de projetos. Uma abordagem holística é o que vai transformar os jovens da nova geração em uma nova força de trabalho criativa, e que sabe executar as ideias, mudando a realidade para melhor. 

Temos todas as condições para realizar esse sonho. Basta ter vontade política, planejamento e efetivamente, começar a fazer. Eu acredito que é possível. E você?

 

- D.J. Castro

Transformação Criativa
D.J. Castro
D.J. Castro Seguir

Publicitário de formação, diretor criativo por mais de 15 anos. Hoje ajudo a criar marcas mais humanas e que geram impacto positivo no mercado e nas pessoas.

Ler conteúdo completo
Indicados para você