[ editar artigo]

Como funciona o processo criativo? Você domina o seu?

Como funciona o processo criativo? Você domina o seu?

Gosto de conversar com as pessoas sobre criatividade, uma das perguntas que costumo fazer é se elas consideram-se criativas, passei a notar que aquelas que respondem que não são criativas usam duas justificativas, acreditam que criatividade é para artistas, publicitários, marketeiros e etc, pensam que para trabalhos analíticos e de relação interpessoal não é preciso ter criatividade. Outra justificativa é relacionada ao acaso, as pessoas acreditam que soluções criativas surgem do nada, por acaso, por sorte.

Vou focar nessa segunda justificativa, apesar de o mito de que o criativo tem que ser artista ser algo muito precipitado, afinal criatividade é uma habilidade transversal podendo ser utilizada em qualquer área da vida, afinal criatividade é uma habilidade para solucionar problemas e desafios.

Pois bem, quanto ao mito do acaso é preciso dizer que nada é por acaso, como diz Abraham Maslow: “O acaso favorece as mentes preparadas”. A construção de uma solução criativa segue um processo, é fruto de pesquisa e esforço, dizem que é 1% de inspiração e 99% de transpiração, mas discordo, acredito que seja 60% inspiração e 40% transpiração, explicarei o porquê.

 

Mas como funciona esse processo criativo?

Estudei sobre isso e adaptei o processo estudado por Graham Wallas, descrito em seu livro “The art of thought”. Dividido em 5 fases, o processo é constituído por: clareza, preparação, incubação, iluminação e verificação.

1-Clareza:

Fase fundamental do processo criativo, comumente esquecida pois as pessoas estão ansiosas para encontrar a solução para o problema, mesmo sem saber qual o problema que precisam resolver, acredito que isso ocorra muito graças a uma frase bem intencionada mas errônea: “traga-me soluções, não problemas”. Eu discordo, quero definir o problema para que juntos possamos desenvolver a solução correta.

A fase de clareza refere-se ao momento destinado a entender verdadeiramente o desafio que deseja-se solucionar. Todo raciocínio criativo é iniciado após uma situação-problema. Se não possuirmos clareza daquilo que precisamos solucionar por melhor que seja a solução desenvolvida, iremos falhar, afinal como diz Murilo Gun: “Cavar bem no lugar errado é cavar mal”. Tem uma frase que é atribuída a Albert Einstein que é “Se eu tivesse uma hora para resolver um problema e minha vida dependesse dessa solução, eu passaria 55 minutos definindo a pergunta certa a se fazer”. Definir bem o desafio que precisamos responder pode tornar o processo de encontrar a solução muito mais fácil.

2-Preparação:

Após a definição do problema que temos que resolver acessamos o nosso repertório, O repertório é todo conhecimento que possuímos em nossas mentes por meio da observação, estudo e experiências.

Ao acessar o repertório verificamos todo aquele conhecimento que podemos usar na solução do problema designado. Outra parte muito importante nessa fase é a pesquisa, ao verificarmos nosso repertório conseguimos identificar lacunas, e a partir dessas lacunas pesquisamos o que é necessário para conseguir solucionar os desafios, buscamos referências e inspirações.

3-Incubação:

Essa é a fase de abstração e distanciamento do problema. Quando você relaxa, faz algo que gosta ou se distrai, o seu subconsciente segue trabalhando na tentativa de solução do problema, e seu cérebro faz combinações inconscientes. Certamente você já teve aquele grande estalo criativo enquanto tomava banho ou talvez enquanto fazia alguma atividade física, isso acontece devido a incubação.

Essa fase muitas vezes não é levada em conta pelas pessoas, mas é de grande importância, conexões poderosas acontecem nesse momento, iniciando o processo da iluminação.

4-Iluminação:

As outras fases foram as fases de inspiração, se você desenvolver as fases anteriores com profundidade, certamente essa fase que é de trabalho duro será facilitada.

A iluminação corresponde ao momento em que já ocorreu o estalo criativo, é nesse momento que a solução é verdadeiramente desenvolvida e aprofundada.

5-Verificação:

Nesse momento a solução projetada já está saindo do campo das ideias e tornando-se tangível para testar. Nesse momento busca-se feedback para realizar a validação e a partir disso aperfeiçoar e colocar em prática.


A partir dessas 5 fases posso dizer o porquê acredito que a criatividade é 60% inspiração e 40% transpiração. Como vocês puderam ver todas as fases requerem esforço, mas as três primeiras fases estão relacionadas a inspiração, a momentos de estudo e reflexão, busca de referências que nos permitam encontrar melhores soluções. Inspiração é diferente de motivação. Inspiração é sobre buscar informações que nos deixe melhores preparados para fazer o que temos que fazer. Solução criativa é fruto de inspiração e trabalho duro, sem inspiração as soluções desenvolvidas serão exatamente iguais as soluções padrões já existentes, sem trabalho duro a ideia nunca deixará de ser apenas uma ideia.

Inspire-se, esforce-se e conheça o seu processo de produção criativa.

Texto: Victor Maués Rodrigues.

Se você quer se aprofundar sobre criatividade siga a Tribus Kabana aqui na comunidade e  no instagram. Outra indicação que fazemos é de conhecer o trabalho do Murilo Gun, uma de minhas maiores referências.

 

Transformação Criativa
Tribus Kabana
Tribus Kabana Seguir

Organismo amazônico de transformação digital, sob um olhar transversal do futurismo, criatividade, cultura e negócios.

Ler conteúdo completo
Indicados para você