[ editar artigo]

Minimalismo criativo: uma solução para o momento e o início de uma nova sociedade?

Minimalismo criativo: uma solução para o momento e o início de uma nova sociedade?

Era meados de outubro ou novembro de 2019. Acho que um domingo. Eu e minha mãe saímos para um café e, em uma dessas coincidências gostosas da vida, encontramos a professora e instrutora de Yoga Maria Nazaré Cavalcanti. Ela é uma daquelas pessoas brilhantes que a gente poderia ouvir por horas e horas, sabe?

Pois bem, naquele dia ensolarado, a Nazaré aceitou o convite de sentar-se conosco. Papo vai, papo vem. Falamos de política e desigualdade social. Me lembro bem que ela comentou sobre algumas teorias que já estavam rolando, sobre o capitalismo extremo estar chegando ao seu limite, prestes a ruir.

11 de setembro teria sido o strike one. Não por acaso, tenho lembrado muito dessa conversa nos últimos dias. Acho que a pandemia global equivale aos strikes dois e três juntos, né? A loucura do consumismo está ruindo bem diante de nossos olhos.

Se você não concorda com essa visão, tudo bem. Sei que muita gente crê simplesmente que “vivemos uma crise”. Mas peço licença para discordar e ir além. Creio fortemente que estamos diante da oportunidade/necessidade de construir um novo modelo social, mais humano e igualitário.

Topa aprofundar?

Usamos máscaras nas ruas, mas as verdadeiras máscaras agora caem

Algo que está evidente nesses tempos de pandemia é a desigualdade social e tecnológica que tanto nos esforçamos para ignorar. E que, não por acaso, se tornou justamente a maior problemática em nosso modelo econômico.

Enquanto alguns privilegiados podem exercer o trabalho remoto, falar com seus amigos pelo celular, se alimentar bem e “seguir a vida”, de certa forma (me incluo nesta categoria, aliás), outras pessoas enfrentam um temor cada vez maior da fome, do desemprego e da morte. Está na cara que a balança está desequilibrada.

Na filosofia da Yoga, um dos preceitos éticos que buscamos seguir na vida é o de Aparigraha que, conforme explica o professor Pedro Kupfer em coluna da hoje já extinta revista Yoga Journal, significa contentar-se com o necessário.

“O Yogi não tem interesse em acumular objetos inúteis, pelo mesmo motivo que as águias voam carregando apenas o indispensável para ficarem leves”.

Compreendo esse conceito no sentido da ideia de “não-ganância”, de não acumularmos em excesso. Por quê? Porque, pela lei do equilíbrio, sempre que eu acumulo demais (dinheiro, comida, posses, etc), significa que este meu excesso será a falta de outra pessoa

Percebe como é ridículo, na falta de uma palavra melhor, o fato de que para algumas pessoas a maior preocupação na quarentena seja comer demais porque estão entediadas em casa, enquanto para outras é simplesmente ter o que comer e sobreviver?

Isso é sintoma do desequilíbrio na balança social. E esse é meu gancho para falar de minimalismo criativo em tempos de pandemia.

Minimalismo e criatividade no contexto do isolamento social

minimalismo, conforme já expliquei em outros artigos, diz respeito a uma filosofia de vida que prioriza termos menos coisas, valorizando mais a qualidade destas, e empregando nosso tempo a favor daquilo que realmente nos é precioso na vida. Creio, cada vez mais, que a aplicabilidade desses conceitos nunca foi tão urgente.

Em minha visão, sim: ser minimalista é entrar em sintonia com a mentalidade de uma nova Era. De mais igualdade, amor, cooperação e criatividade. Para aproximar essa ideia um pouco mais da realidade, vou trazer alguns exemplos.

Mesmo eu, que já me considero minimalista, estou percebendo na quarentena diversas novas possibilidades de aprofundar a filosofia na prática. A título de ilustração: diante da dificuldade/cautela necessárias para ir ao supermercado, tenho literalmente usado todos os ingredientes da cozinha até o fim.

Resultado? Estou pesquisando e criando diversas novas receitas super criativas e gostosas. Entendo, também, que o fato de os alimentos naturalmente aumentarem de preço durante a crise é uma oportunidade de pensar cada vez mais sobre o que estou comendo, a quantidade de comida essencial ao corpo, em me nutrir com o essencial apenas.

Percebi na cozinha algo que já havia constatado quando me tornei minimalista com roupas. Quanto menos peças temos, mais criativos ficamos na forma de explorá-las. A escassez nos obriga a pensar melhor sobre como utilizar nossos recursos com inteligência.

Então, ao invés de deixar ela lhe apavorar, por que não usá-la para aflorar seu lado mais criativo?

Esta é a sua oportunidade de aprender a viver com menos

Talvez você, ao ler este texto, conclua que sou uma pessoa exageradamente otimista. E, se for o caso, tudo bem. Dia desses, li uma frase do Oscar Wilde, que dizia assim:

“O pessimista é aquele que reclama do barulho quando a oportunidade bate à porta”. 

Sei que esta pandemia é mais que um barulho. É um estrondo. Mas que ele possa, então, nos estremecer a ponto de incentivar todas essas mudanças que a Natureza já declarou: são inadiáveis.

Concorda comigo? Você já leva ou está tentando levar uma vida mais minimalista? A quarentena também aflorou sua criatividade? Me conta aqui nos comentários que eu vou amar saber. <3

Quer receber meus textos por e-mail? Inscreva-se na minha Newsletter através deste link!

Acompanhe meus conteúdos também no Twitter, no Instagram e no Pinterest;

*Publicado originalmente em: https://bit.ly/texto-minimalismo-criativo

Transformação Criativa
Rafaela Kich
Rafaela Kich Seguir

25, anos. Jornalista. Empreendedora. Blogger. Redatora de Conteúdo. Sou apaixonada pelas palavras. Creio que são poderosas ferramentas de comunicação, instrução e, claro, trabalho.

Ler conteúdo completo
Indicados para você