[ editar artigo]

7 dicas de como ser mais criativo: O método Woody Allen.

7 dicas de como ser mais criativo: O método Woody Allen.

Há algum tempo por trabalhar com facilitação tenho estudado e aprendido muito sobre criatividade sob diversos aspectos diferentes, esse método que batizei de Woody Allen, em homenagem ao diretor cinematográfico são referentes a dicas de como conquistar resultados melhores e fazer seus projetos serem verdadeiramente criativos, estas dicas tem foco maior no desenvolvimento individual. Em muitos momentos outras pessoas poderão não estar disponíveis para co-criação, eis aqui um mapa de como alcançar a produtividade criativa.

1-Repertório: 

Criatividade é questão de repertório, pois quanto maior e mais diverso for o nosso repertório melhor as nossas possibilidades de fazer combinações diferenciadas. Possuir um grande repertório é consequência de curiosidade, observação e presença para que consigamos fazer downloads. Os downloads são as informações do mundo que nós internalizamos e transformamos em parte do nosso repertório.

Por potencializar o repertório acredito muito no conhecimento em formato de T. O conhecimento baseado no modelo T funciona da seguinte forma, a parte vertical que compõe o T representa o nosso conhecimento de especialista, afinal sempre existe aquele assunto que nós conhecemos de forma mais profunda. Enquanto que a linha horizontal representa a nossa curiosidade, é a nossa diversidade de conhecimento superficial, aquela informação que absorvemos que pode até mesmo ser básica mas que pode nos fazer conseguir gerar combinações diferenciadas, como diz Steve Jobs: Criatividade é apenas conectar as coisas.

A partir do momento que entendemos isso acredito que conseguimos ser mais criativos.O motivo é que saber que criatividade é combinação nos tira o peso de sermos criadores, muitas pessoas acreditam não ser criativas porque não constroem uma ideia do zero. Quando na verdade isso é irreal, nada vem do nada, todo trabalho possui inspirações e influências. Tudo é combinação, até você mesmo, já que és a combinação da carga genética do teu pai com a carga genética da tua mãe. Assim que nos libertamos do fardo da criação do zero, notamos que influências são fundamentais e nos tornamos caçadores de referências, quanto mais interessantes e diversas forem nossas referências mais conseguiremos trabalhos diferenciados. Treine seu olhar, se quiser fazer conexões inovadoras é preciso não ter a mesma bagagem de experiências que os outros têm, aquilo que você tem de particularidade te faz único.

Mas lembre-se, você é um colecionador, não um acumulador de referências, existem informações que são ou se tornarão irrelevantes, saiba eliminá-las, aquilo que sai é tão importante quanto aquilo que fica em nossas mentes, é como diz Alvin Tofler: É preciso saber aprender, desaprender e reaprender.

2-Presença:

Sabendo que o repertório amplo é a base do pensamento criativo, como conseguir aumentar meu repertório? Acredito que o primeiro passo seja ter presença. Essa atitude não é só importante para ser criativo, é importante na vida por completo. Estar presente é estar atento, é viver o momento.

Atenção é acima de tudo conexão com aquilo que o circula. Quantas vezes você já esteve andando e não reparou em nada na rua porque estava no automático? Quantas vezes você estava com um livro mas apenas passando o olho sem absorver nada porque estava distraído?

A melhor forma de fazer downloads do mundo é utilizando a observação, a melhor forma de conseguir observar é estando presente. Quando você está verdadeiramente atento e interessado conseguirá perceber coisas que as outras pessoas não notam, porque o seu olhar curioso fará com que consiga analisar as coisas de forma mais profunda. Pense em você numa viagem, quando você é turista tudo não é mais interessante? Costumamos andar reparando tudo, nos impressionando no meio do caminho, observando cada ponto diferente, por isso que normalmente quando viajamos trazemos novas inspirações e ideias conosco. É questão de presença, isso acontece porque mudar uma rota conhecida nos lança a viver o presente.

No seu cotidiano você costuma observar as coisas ao seu redor? Vamos fazer um teste, o que tem próximo do local onde você trabalha, você consegue lembrar e descrever com detalhes? Provavelmente não, mas se você consegue, parabéns, você tem sido presente.

De qualquer forma busque sair do automático, esteja atento nas coisas rotineiras, talvez lá esteja o download que mudará sua percepção do mundo. Mas não é apenas sobre coisas, é também sobre pessoas, quando conversa com alguém você é atencioso e interessado? Você pratica a escuta ou apenas ouve já pensando na resposta que vai dar? Não esqueça que o aprendizado pode acontecer em qualquer lugar com qualquer pessoa, como diz Ralph Waldo Emerson: "Todo homem que encontro é superior a mim em alguma coisa. E nesse particular eu aprendo com ele". 

3-Processamento:

No momento de ideação esse talvez seja o maior gargalo. Todas as pessoas que sentem-se realmente criativas são caçadoras de referências, mas pode acontecer um problema, o de possuir tanta referência que não se consegue organizar, e por consequência elas se tornam informações aleatórias que ficam perdidas em nossa mente. É importante sempre guardar um tempo pra processar as informações, ao invés de buscar novas referências freneticamente, processe as que você possui, relembre, releia, conecte-as. Dessa forma você conseguirá identificar o que é relevante e o que não é, e manter com você apenas aquilo que realmente importa, como dito anteriormente, temos de ser colecionadores, não acumuladores. Esse momento de processamento dos downloads podem clarificar ideias e gerar insights, muita informação sem interpretação nenhuma é um acúmulo desnecessário.

Outro ponto que dificulta o processamento é misturar os momentos de divergência e convergência. Divergência é o momento de abrir possibilidades, convergência é o momento de selecionar as melhores possibilidades segundo alguns critérios. Quando acontece ambas as fases num mesmo momento a ideação torna-se empobrecida.

Isso acontece porque já começamos a ideação julgando nossas ideias e isso pode gerar uma exclusão prematura de uma ideia que pode ser relevante. Separe um momento apenas para divergir, criando diferentes ideias e novas possibilidades, após isso selecione e conecte aquelas que forem mais relevantes. 

Não julgue antes da hora, lembre-se: Uma ideia boa é a soma de ideias médias, e uma ideia média é a soma de ideias ruins. Tudo pode começar com uma ideia ruim.

4-Rotina: 

É muito importante estabelecer e manter uma rotina de produção, a inércia pode matar a criatividade, é preciso manter o ritmo. Por exemplo, utilizando uma metáfora, todos os dias nós usamos nossos corpos para realizar diferentes atividades da nossa rotina, isso gera um gasto calórico natural, mas normalmente não o suficiente para ser considerada uma atividade física, e buscando atingir um melhor preparo físico fazemos diferentes atividades como academia, futebol, yoga, artes marciais, entre outras coisas. Para ser criativo é exatamente a mesma coisa, a criatividade é uma habilidade, quanto mais nós treinarmos melhores ficaremos. É impossível você imaginar que será um grande atleta se nunca treinar, sem praticar também não espere ser um grande criativo. 

A melhor possibilidade para conseguir alcançar a otimização da criatividade e alcançar resultados diferenciados é ter muitas ideias. No livro “Originais: Como os inconformistas mudam o mundo” é dito que, em média os gênios criativos não são qualitativamente melhores em suas áreas do que os outros. Eles apenas produzem um volume maior de trabalho, o que resulta num maior número de variações e aumenta as chances de alcançar um resultado interessante. A chance de produzir uma ideia bem sucedida é diretamente proporcional ao número total de ideias geradas.

Quando um trabalho dá certo as pessoas interpretam como se tudo houvesse sido muito fácil, costumam não conseguir enxergar todo o esforço que houve para alcançar aqueles resultados. Em todas as áreas, mesmo os melhores profissionais costumam produzir uma grande quantidade de trabalho que apesar de ser tecnicamente sólida não é considerada tão interessante pelo público.

Você sabia que a obra de Picasso inclui mais de 1800 pinturas, 1200 esculturas, 2800 peças de cerâmica e 12 mil desenhos? E apenas uma pequena fração de toda essa obra imensa foi verdadeiramente valorizada e recebida com entusiasmo por críticos e o público geral. Algumas pessoas talvez apenas lembrem de Pablo Picasso por causa da pintura Guernica, e não consigam perceber que para alcançar o sucesso que o artista obteve foi necessário muita dedicação e esforço. Quanto mais produzimos maiores as nossas chances de alcançar um trabalho verdadeiramente criativo, quanto mais produzimos maiores as nossas chances de identificar nosso estilo, gosto e vontades. Quando se trata de geração de ideias a quantidade é o caminho mais provável de atingir a qualidade.

5-Procrastinação moderada:

A grande inimiga da produtividade é uma grande parceira da criatividade. E você pode pensar, mas não era para adotar uma rotina de trabalho? A procrastinação pode parecer uma antítese da rotina, mas lembre-se que é procrastinação moderada, você vai entender.

Antes de tudo preciso explicar as duas primeiras fases do processo criativo, o primeiro momento é o de entendimento do problema, é sobre pesquisar e entender o desafio que você precisa resolver, tudo começa com a situação problema, a partir disso fazemos pesquisas para compreender o desafio e também para encontrar possíveis soluções. O segundo momento se trata da incubação, muitas vezes as pessoas desconhecem essa fase e não dão o devido valor. Incubação é o distanciamento do problema, quando você relaxa, faz algo que gosta, se distrai mas seu subconsciente continua processando a informação para você. Certamente você já teve aquele grande estalo criativo enquanto tomava banho ou talvez enquanto fazia alguma atividade física, isso acontece devido a incubação.

Essa atitude é conhecida a muito tempo pelo nome de ócio criativo. Em seu livro O caminho do artista, Julia Cameron designa esse ócio como o Encontro com artista, momento usado para abrir-se a novas descobertas e inspiração. Mas o que é exatamente o encontro com o artista? É um tempo reservado para alimentar sua consciência criativa. É um momento de inspiração de você reservar um momento particular para fazer o que gosta, seja ir na praça, ir numa livraria, assistir um filme, passear numa exposição e etc. O mesmo é dito por Marco Piangers que recomenda que tenhamos uma musa, algo que nos seja inspirador, que nos distraia e cause distanciamento do desafio que queremos resolver, afinal uma mente inspirada está mais preparada. Reserve algum tempo apenas para se distrair, não sabemos aonde isso lhe levará, mas aproveite a viagem.

Pode parecer contraintuitivo mas a procrastinação quando moderada faz com que consigamos alcançar pensamentos mais criativos. Quando há procrastinação estamos adiando a progressão de determinada tarefa. Nesse adiamento podemos estar ganhando tempo para pensar sobre a tarefa de modo mais livre ao invés de focar numa ideia específica. Com isso damos tempo de distanciamento e deixamos nosso subconsciente aberto para diferentes possibilidades. Acredito que não é coincidência grandes gênios como Steve Jobs, Martin Luther King, Woody Allen e Leonardo da Vinci serem procrastinadores. Eles começavam seus trabalhos e quando surgia algum problema decidiam postergar sua conclusão, deixando que a chama da criação de ideias permanecesse acesa.

Além de fornecer tempo necessário para geração de novas ideias a procrastinação também tem como benefício nos manter aberto à mudanças e à improvisação. Ao planejar tudo com excesso de detalhes é comum que passemos a insistir na estrutura planejada, fechando as portas para novas possibilidades que possam surgir durante o processo. É preciso sempre estar aberto a mudanças e adaptações a realidade, não existe planejamento estático em um mundo dinâmico.

 Mas não se engane, ser procrastinador não significa abrir mão do planejamento ou deixar tudo pra última hora, é sobre pensar estrategicamente, avançar de forma gradual nos projetos, testando e refinando as possibilidades. É sobre estar aberto às mudanças que podem vir, estar aberto a novas possibilidades, é entender que o que você planejou no início do projeto pode não ser necessariamente o que você desejará ao final. 

Seja moderado.

6-Clareza:

É impossível ter uma solução criativa verdadeiramente boa se não houver clareza. Em qualquer projeto nós jamais devemos aceitar o implícito, é preciso entender o desafio que estamos querendo resolver. Tudo começa com uma situação problema, se não tivermos entendimento real sobre ela, provavelmente nossa solução será errada, como diz o Murilo Gun: Cavar bem no lugar errado é cavar mal. Ou seja, não adianta resolver certo o problema errado, pois dessa forma todo o processo foi apenas perda de tempo.

Esse problema acontece muitas vezes por um motivo, as pessoas costumam imaginar qual o problema que precisam resolver, mas entenda que problema não é para imaginar, é para investigar, a imaginação acontece no momento de ideação.

As pessoas ficam constantemente tão preocupadas em elaborar as respostas certas que não se preocupam com qual pergunta que estão respondendo. Durante esse tempo que trabalho com facilitação aprendi que aquilo que o que mais importa é fazer as perguntas certas, não adianta saber as ferramentas, processos, técnicas e dar as melhores respostas para a pergunta errada. Tem uma frase que é atribuída a Albert Einstein que é “Se eu tivesse uma hora para resolver um problema e minha vida dependesse dessa solução, eu passaria 55 minutos definindo a pergunta certa a se fazer”. Definir bem o desafio que precisamos responder pode tornar o processo de encontrar a solução muito fácil.

Ao elaborar essa pergunta que nos direciona a solução é preciso fazê-la de forma a evitar pré-conceitos e vícios. Muitas vezes as perguntas podem subentender uma solução específica. Por exemplo, a Disney tem um problema muito grande com o tempo que as pessoas passam nas filas dos brinquedos, muitas pessoas podem acreditar que a pergunta a ser feita é “Como fazer com que a fila ande mais rápido?”, note que essa pergunta direciona a um tipo de resposta, todas ligadas a velocidade. Mas a pergunta que a Disney fez foi bem diferente, eles se perguntaram “Como melhorar a experiência dos clientes nas filas dos brinquedos?”. A partir daí não havia direcionamento na resposta, era uma pergunta aberta que permitia grande reflexão, e a solução para esse problema foi fazer tudo ser um grande espetáculo, agregar valor até mesmo nas filas, em que sempre há um personagem ou uma história sendo contada para que as pessoas prestem atenção em outra coisa que não seja o tempo de duração da fila.

Construindo clareza dos nossos desafios e fazendo os questionamentos certos estaremos mais próximos de construir estratégias verdadeiramente relevantes para os nossos projetos criativos.

7- Anote todas as suas ideias:

Essa dica não estava prevista, então considere-a uma dica extra, a coloquei aqui durante o processo da escrita, pois enquanto escrevia esse texto tive uma pequena distração e perdi totalmente o raciocínio que estava trabalhando durante os tópicos, inclusive até agora ainda não lembrei sobre o que era.

Não queira correr esse risco, creio que muitas ideias incríveis são perdidas porque nós simplesmente as esquecemos. Anote, não confie apenas na sua memória, você provavelmente irá esquecer. Hoje, já aceitei dividir minha memória com o Google, tudo que acho interessante e relevante, seja frases dos livros que leio, observações de cursos ou insights, eu anoto e envio direto para o Google Drive para ter acesso em qualquer lugar que possua internet. 

Não importa se você usa o meio digital ou o analógico, escolha o que lhe for mais confortável mas não perca seus insights, construa o seu banco de memórias relevantes.

A verdadeira produtividade criativa:

Uma das pessoas mais criativas e produtivas do mundo provavelmente é o diretor Woody Allen, esse diretor tem um grande diferencial, a sua constância, desde 1965 até 2017 ele lançou basicamente um longa-metragem a cada ano, isso é um rendimento incrível para qualquer profissional. E como ele consegue fazer isso? Woody Allen é um grande observador, é um cara que fica atento a diferentes narrativas que o circulam, ele habita os locais de forma presente, estando atento aos detalhes, ele é um anotador frenético, todas as ideias que tem ele faz questão de anotar e guardá-las para que posteriormente possa processá-las e entender quais podem ser interessantes para os seus projetos. Quando o diretor sofre um bloqueio criativo, aquele momento que todos nós vivemos de falta de ideias e acabamos ficando emperrados numa parte do processo, ele faz duas coisas: recorre ao seu banco de ideias anotadas e relaxa para se distanciar do problema, procrastinando moderadamente ele consegue fazer com que seu tempo de distração seja também de inspiração. Esse é o método que Woody Allen utiliza para ser tão produtivo e construir uma carreira relevante como diretor.

 

Texto: Victor Maués Rodrigues.

 

Siga a Tribus Kabana no Instagram e acompanhe nosso blog no Medium

Transformação Criativa
Tribus Kabana
Tribus Kabana Seguir

Organismo amazônico de transformação digital, sob um olhar transversal do futurismo, criatividade, cultura e negócios.

Ler conteúdo completo
Indicados para você