[ editar artigo]

Espaços de inovação ?

Espaços de inovação ?

Ano passado fiz meu segundo "Pitch" na vida.  E, para manter a tradição, fui péssimo. Não levo jeito pra isso, também.

Era uma dessas reuniões absurdas onde tem gente que finge que sabe o que tá fazendo ali meio que julgando o que não sabe, mas com cara de senhores do conhecimento ($$$).  Sabe? Eu sei...

E dentro de toda caixa (des)necessária para padronizar ideias que tem como objetivos serem despadronizadas - mas, na verdade, não podem, pois se sair do roteiro, já era. - entramos sem perceber numa daquelas rodas das gaiolas de ratinhos que levam ao lugar comum, mesmo depois de muito esforço.

O objetivo em questão era reunir ideias para criação e soluções que repensem espaços de inovação e, com isso, investir o dinheiro de outras pessoas que fazem ainda menos ideia do que estão falando, a não ser seguir. Muito bacana até aí, mas o processo, a burocracia, o nivelamento pelo médio, impedem de ter exatamente o que precisam: o novo.

Já trabalhei para alguns destes locais que temos como referência atualmente. Ajudei a posicionar e modelar alguns deles. E, ao tentar quebrar o modelo, propus, nessa reunião, que "O próximo espaço de inovação não será um espaço".

Não tive a possibilidade de me fazer entender, pois no momento em que saí do roteiro, todos os 5 "mentores" pegaram seus celulares, sendo que 2 saíram da sala com aquelas desculpas quando a reunião está ruim. E estava mesmo...

Não fazia sentido o que eu falava, já que a resposta não era a desejada. Me privei de apresentar puffs coloridos e escorregas, deixei a arquibancada que vira palco de fora, coloquei as pessoas no centro e não a conta que aumentava a taxa de condomínio. Fora do padrão não dá para encaixotar.

Eu não estaria ali. Mas estava. Eu me coloquei ali. Inclusive, ninguém me pediu pra estar. Eu que me meti. E tinha 15 minutos para explicar (5 para apresentar, 5 para perguntas - esse foi o momento do celular -, 5 para respostas. Passa rápido pra próxima ideia inovadora). Pra priorizar a solução, e não o template de ppt enviado para padronizar o entendimento, fui direto ao ponto. Não será um es-pa-ço! 

Não tive nem o retorno. Óbvio.

Hoje entendo que eles queriam vender metro quadrado apenas, não repensar o "espaço" ou algo que realmente os levasse pra algo diferente.  E veremos que, quando saírmos da clausura, do resguardo, certamente TODO MUNDO fará o mesmo exercício: repensar o espaço com inovação. Uma praça, uma rua, um bairro, um condomínio empresarial, nada escapará desta análise coletiva. Nem o que eu pensava e achava que era um caminho, nem isso, é o certo. Mas uma coisa pode ser a direção: o espaço não é físico e a inovação acontece em um local específico: dentro da sua cabeça.

Agora da minha casa, sozinho fisicamente, eu e você temos mais acesso à verdadeira essência da inovação do que qualquer suposição que poderia ser escolhida naquela oportunidade. Agora, pouco ou nada vale um espaço, mas vale a solução. 

Que o próximo espaço de inovação esteja sendo criado por você, aí dentro da sua casa. E que a solução seja mais valorizada que a tabela.

Transformação Criativa
Alex Lima
Alex Lima Seguir

Crazy today, obvious tomorow.

Ler conteúdo completo
Indicados para você