[ editar artigo]

Deveríamos normalizar o não estar bem.

Deveríamos normalizar o não estar bem.

Ou o ter um dia ruim.

É normal, está tudo bem com você, todos vivem dias ruins e isso faz parte da vida.

Eu sou uma pessoa muito positiva e com energia pra cima na maior parte do tempo porém tenho meus dias de, digamos assim, bode. 

Ontem foi um dia desses. Eu dormi mal, dormi menos que o ideal pra mim, acordei irritada e sem motivo aparente (não estou de TPM, não discuti com ninguém e não estou preocupada com algum big problema).

Fora o bode, posso também citar a dor de cabeça que foi e voltou o dia todo.

Talvez eu simplesmente não deveria ter saído da cama ontem...

Mas levantei da cama, afinal a vida tá aí e eu tinha coisas pra fazer.

Quando acordo, geralmente dou uma parada de 5 minutos e observo como estou me sentindo, pra que eu saiba o que preciso fazer pra ajustar meu humor logo cedo - gosto de começar o dia com energia alta e meu pico de criatividade é pela manhã. 

de cara percebi que o mar não estava pra peixe e entendi que o que eu precisava era meditação e meu yoga, sem corrida de 5k porque eu acho que nem o tênis me aturaria.

Pois então fiz uma meditação, que ajudou a equilibrar um pouco meu humor, depois emendei no yoga, fiz o passeio matinal com meu cachorro e sentei pra escrever o conteúdo que publico diariamente no meu Instagram. 

Mas vontade, vontade mesmo, eu estava era de sumir - apesar de ainda assim continuar me sentindo muito grata por toda minha vida.

Quando encontrei meu marido na hora do almoço, falei que estava me sentindo assim (ganhei massagem rápida no ombro pra aliviar a tensão, uhúl) e enquanto me entregava à minha vulnerabilidade dizendo que não estava bem e me permitia ser cuidada, lembrei de uma conversa que tive com uma amiga minha.

A conversa era sobre normalizar o não se sentir bem.

Normalizar o fato de que um dia não vai ser nunca igual ao outro (eu acordei me sentindo maravilhosa há dois dias, ontem acordei abraçada no bode) e TÁ TUDO BEM!

Essa minha amiga estava atravessando um momento super delicado na vida pessoal, profissional, no meio da pandemia e ainda totalmente isolada longe da família depois de uma separação. Então, talvez não estivesse tudo bem com ela mesmo.

Nossa reflexão juntas foi: por que temos dificuldade de dizer em alto e bom tom que não estamos bem? Por que não nos permitimos viver um dia ruim? Falamos também sobre a importância de se permitir viver esses dias melancólicos que aparecem subitamente, sobre como é importante ser francx com a gente mesmx e com os outros quando isso acontece. 

Agora escrevendo, tive um insight, acho que nos acostumamos a 03 coisas:

1) a perguntar se uma pessoa está bem somente por perguntar e não pra realmente saber como a outra pessoa se sente. E se a pessoa nos diz que não está bem nosso primeiro impulso geralmente é dizer: "não fique assim!".

2) a responder que estamos bem sem de fato refletir como nos sentimos ou não jogamos a real quando não estamos bem pois não queremos ser vistos como "fracos"

3) não sei vocês, mas quando me sinto desconfortável meu primeiro pensamento é: "qual o motivo de eu estar assim?" - e até aí tudo bem, entender as emoções é saudável. Mas eu facilmente me engajo no auto julgamento e na pressa de querer que o desconforto passe logo. Me parece que muitas pessoas são assim também. E pra acolher a forma desconfortável que me sinto, o trabalho de aceitação do desconforto precisa ser bem consciente e intencional. Ele não vem automaticamente.

Será que em casos assim, como ouvintes, não deveríamos dizer "faça o que te faz se sentir mais confortável hoje, fique tranquilx, isso vai passar e conte comigo se você precisar"?

Será que em casos assim não deveríamos dizer "amigx, não estou bem. Preciso conversar".

Será que deveríamos nos julgar menos e entender o desconforto como parte saudável do jogo?

Gente! 

Somos humanos. Não vamos esquecer disso, pelo amor de Dios! Já tem coisa demais por aí que nos des-humaniza pra caramba, não sejamos mais um "potencializador" disso. 

Temos emoções, somos seres complexos e ainda estamos no meio de uma pandemia e não temos a obrigação de estar bem todos os fucking dias.

Mesmo que sua vida seja maravilhosa, você pode sim se sentir gratx por sua vida e ainda assim ter dias ruins. E se você tiver dias pesados ou melancólicos, meu conselho é: VIVA-OS!

Precisamos aprender a aceitar as emoções que nos enchem de luz e alegria mas também as emoções que nos deixam um pouco mais desconfortáveis, todas as emoções são válidas e importantes!

Nenhuma é melhor ou pior que o outra, as emoções não são polarizadas.

O resumo do meu dia ontem foi: fazer somente o essencial e realmente necessário, desmarquei uma reunião, peguei uma colherada bem cheia de doce de leite e fui "curtir" meu bode

Como positiva que sou (e que comentei aqui na primeira frase), sabia que hoje o bode não acordaria comigo. Mas também sei que pra ele ter ido embora, eu precisei primeiro reconhecer que ele estava por aqui e pra depois poder deixá-lo ir.

Pra fechar, quero também dizer uma última coisa: ter um dia ruim faz parte da vida, porém se você não se sente bem frequentemente, ou percebe que não possui ferramentas para lidar com esses dias e que precisa de um suporte emocional, lembre-se de procurar ajuda de profissionais da saúde <3

E a mensagem final vale pra todas as pessoas: cuide-se, acolha-se!

Vai ficar tudo bem!

 

Transformação Criativa
Julia Guedes
Julia Guedes Seguir

Não sou coach e nem ofereço milagres, falo abertamente sobre saúde mental e ansiedade ✌🏽✨ Esse é meu Borogodó!

Ler conteúdo completo
Indicados para você