[ editar artigo]

05 princípios que me ajudaram a desenvolver a autenticidade (e de brinde: soltar o potencial criativo).

05 princípios que me ajudaram a desenvolver a autenticidade (e de brinde: soltar o potencial criativo).

Eu tive (e tenho até hoje) a incrível sorte de conhecer muitas pessoas autênticas. Ao longo da minha jornada, eu já agi como algumas das pessoas brilhantes que estavam por perto e me inspiravam.

Porém, como a base de crenças, valores, objetivos e experiências de vida delas eram diferentes das minhas, algumas das minhas atitudes não eram genuínas e originais, logo, não foram sustentáveis (e depois eu entendi que inspiração é diferente do que eu fazia, rs).

Hoje, eu vejo que só deixei fluir 100% minha autenticidade quando eu olhei pra dentro (oi, autoconhecimento!), quando valorizei quem eu sou e então descobri que o melhor exemplo de autenticidade a ser seguido já estava em mim, ele só precisava de alguns estímulos.

Mas afinal, o que é a tal da autenticidade?

Pra mim, pessoas que dizem o que pensam (sem desrespeitar ou diminuir a opinião dos outros), que assumem suas escolhas e se orgulham delas (das boas e das ruins) e pessoas que tem seu estilo próprio (de falar, de viver, de se vestir e sem "imitar" ou seguir uma "fórmula") são pessoas que considero autênticas.

A autenticidade é uma qualidade que ajuda a equilibrar a vida. Ela, quando genuína, é a externalização pro mundo do que você pensa, dos seus valores e do que você acredita.

Você pode viver de acordo com o que acredita e quem você é através da autenticidade.

No curto prazo e quando inconsciente, viver seguindo modelos - ou de maneira desalinhada com quem você realmente é - pode parecer uma boa ideia e de certa forma é atraente por parecer um irresistível atalho, afinal, se há um modelo a ser seguido e pronto ali, seguí-lo pode ser mais fácil do que trilhar um caminho totalmente novo e desconhecido.

Seguir modelos de atitudes e comportamentos dos outros sem que você trabalhe na base que os sustenta, pode ser altamente prejudicial e tóxico no longo prazo.

Mudando esse jogo...

Foi através do autoconhecimento, desenvolvimento da minha autoestima, muito trabalho de autoaceitação e autocuidado que soltei meu bichinho interno da autenticidade (ainda estou nesse processo de construção).

Hoje sou mais feliz pois depois de décadas passei a ter coragem de viver de acordo com o que acredito, passei a me importar menos com a opinião das outras pessoas e com isso também descobri meu potencial criativo baseado em originalidade, o que está muito alinhado a meus valores. 

Aqui compartilho os 05 princípios que me ajudaram (e ainda me ajudam) a desenvolver minha autenticidade - e de quebra soltar minha criatividade:

1) Entender que tudo está dentro de mim.

Tive que aprender a acreditar e confiar nisso. 

Sim, não está no outro(a), não está na pessoa que você admira e também não está na expectativa que os outros tem de você. Quando eu entendi que não me faltava nada, que eu era boa o suficiente pra ser quem eu quisesse ser e comecei a me empoderar disso sem máscaras e fantasias, eu passei a viver de forma mais leve.

Reconhecer minha história, minhas conquistas e valorizar tudo isso teve um peso fundamental em entender que a base pra eu ser o que eu quisesse já estava bem construída e no lugar mais próximo que eu poderia imaginar: dentro de mim!

2) Olhar para meus valores, para o que eu acredito e desejo pra minha vida.

O que é importante pra mim pode não ser importante pra você, certo? As pessoas acreditam em coisas diferentes e tem aspirações diferentes também, correto?

Então, como é que vou seguir um modelo "pronto" sem nem saber o que de fato é importante pra mim? Isso definitivamente não é sustentável a longo prazo.

Revisitar meus valores foi essencial nesse caminho, especialmente por eu ter passado por uma transição de carreira e isso por si já transformou minha vida totalmente.

Tudo o que eu acreditava e desejava pra minha vida precisou ser revisitado, analisei, entendi e reequilibrei o que realmente era importante em todos os aspectos possíveis da minha vida (e fiz isso pensando e colocando tudo no papel mesmo).

Depois disso, ajustar minhas atitudes e hábitos para que eles estivessem alinhados com meus valores foi essencial.

3) Desaprender os padrões pré estabelecidos. Eles podem não estar alinhados à sua essência.

Eu me importei com padrões relacionados à trabalho, vida e relacionamentos por bastante tempo.

Tentava o tempo todo me encaixar neles e com isso ignorava que a minha essência era mais rica que todos esses padrões juntos e combinados.

Quando eu entendi que só conseguiria ser 100% autêntica quando me tornasse mais consciente desses padrões, entendi que eu poderia desaprender todos eles da mesma forma que eu os aprendi.

Daí então eu fui me libertando de C-A-D-A um dos padrões que me puxava pra trás e isso transformou a minha vida.

Quando eu entendi que o céu é o limite em relação a possibilidades de formas de viver, trabalhar, aprender, etc e etc as coisas se tornaram mais leves.

Quando eu entendi que o fato de eu não me sentir "encaixada" em tal lugar dentro dos padrões esperados, não significava que eu não era boa o suficiente mas sim que aquele caminho não era pra mim, me senti mais leve.

E entendi que eu sempre posso escolher.

4) Ter coragem de colocar pra fora quem sou e não ter medo da opinião dos outros!

Opinião alheia é só opinião. Não te define e fim.

Você pode colocar pra fora quem você é de diversas formas, pode ser numa conversa, pode ser através de um "não" bem dito por você, e que representa seu desconforto com determinada situação, ou pode ser através do ato de discordar de uma pessoa.

Esses são alguns dos momentos que você expressa quem você é.

A soma dessas opiniões e atitudes passa a mostrar ao mundo uma pessoa segura de si e confortável em ser quem se é.

E lembre-se: se você age de acordo com o que você acredita, e quem você é, mas isso incomoda outra pessoa, o problema não está em você.

Lembre-se também que discordar não é desrespeitar e que você não precisa (e nem vai conseguir) agradar todas as pessoas.

5) Experimentar coisas novas (não consumir somente dicas prontas).

Você só vai saber o que te faz bem e o que te deixa confortável a partir dos seus valores e crenças se você experimentar coisas novas.

E não falo experimentar coisas que pessoas próximas já fizeram, falo também de tudo que você sempre quis fazer, coisas que você leu no jornal, viu na TV, procurou por conta própria ou leu em um livro. Falo de coisas que sua intuição te chama pra perto.

Dicas das pessoas é sempre algo bem vindo porém a melhor forma de descobrir se você gosta de algo ou não é pesquisando e buscando a partir do que te interessa e te toca lá dentro do seu centro.

Seguindo sua intuição, você vai não só aprenderá o caminho das pedras mas também formará sua própria opinião.

Pra fechar eu queria dizer que autenticidade pra mim também é sinônimo de liberdade

Cada um tem sua própria história e singularidade dentro dela, entender e valorizar a sua própria jornada é um ato de auto amor e aceitação gigantesco.

Acho que como muitas outras coisas a autenticidade é uma habilidade que pode ser treinada, exercitada e que é libertadora.

Espero que você descubra que o maior poder e o caminho mais incrível que você deve admirar é o seu próprio(a). 

Um beijo, Ju.

Transformação Criativa
Julia Guedes
Julia Guedes Seguir

Não sou coach e nem ofereço milagres, falo abertamente sobre saúde mental e ansiedade ✌🏽✨ Esse é meu Borogodó!

Ler conteúdo completo
Indicados para você